sexta-feira, 18 de agosto de 2017

off diario paris

tretas da vida real que a vida é e pode ser num continuum maravilhosa a gente teima em viver que escuta aquela historia do copo o pessimista que vê o meio vazio e o otimista que vê o meio cheio de ter saudade e encontro forte com uma amiga cumade querida e de fazer ela passar pelo baculejo tipico da policia nacional francesa e eu toda nervosa me permitindo a se tremer e a gaguejar em frances - eu tinha um fino que eles jogaram fora, tive que falar nao, nao sei de nada, nao sou traficante, nao nao vendo droga à minha amiga e traduzindo pra ela, e toda "errada", raisa bandida - pulei a catraca com maconha haha, agora to rindo mas na hora so pensava no telefonema que eu ia dar pra minha mae e dizer perdoa mas eu vacilei e nao é so com a mae, é tudo ai hoje perco o onibus pra ver meu namorado, como se nao bastasse ser pobre e ainda se perde passagem, é como a cançao pau de arara da zelia barbosa "cansada que eu tava da fome que eu tinha" e sim os privilegios : me perdoa meu amor de tanto te pedir as coisas, te acalma que uma hora acaba e eu vou te pagar tudo, a gente tenta e partilha essa mesma vida, tu que tanto me ajuda a sair desse clichê da mulher caça-gringo, te amo, gostoso esse privilegio como a de lygia clark que teve um marido que a apoiou inclusive na sua viagem pra frança e que fez um percurso intenso - e sim ela tb teve perrengue de grana, veja e no final sim vou tentar melhorar esses perrengues, mas - pausa m'éditativa - senao for assim tb nem quero e vc que é rica boa sorte com as facilidades que nois ta na luta e sim este diario é pra quem ta no limbo entre mundos, o do perrengue o copo meio vazio e o do privilegio do amor do copo meio cheio

sábado, 5 de agosto de 2017

off diario tarnac

trepar na europa é dificil vou generalizar mermo se tu mostra o corpo ou tu é criança ou tu é histérica e ai piora que chega os macho e conversa e eu espontaneamente falo que tem um companheiro (relaçao a distancia é foda porque é um fantasma que vc goza de vez em quando... ah o amor... e nem da tempo de dizer que é aberto enfim...) e logo que eu falo os macho some, dai eu penso oxe nao sirvo nem pra conversar? paquero paquero e as mana nao entende e eu sinto fome fome antropofagica eu sou dessas que chega mermo ei vamo ali no mato mas com o tempo o ego politico aprende a conversar e no fundo do quarto ou do banho o clitoris animal finalmente goza e dorme e sonha e tem fome! :)

quinta-feira, 27 de julho de 2017

Off diario paris

do que precisamos para sentir-pensar uma atitude habito critico? É suficiente julgar o outro pela aparencia? É suficiente se aproximar e descobrir as vidas humanas demasiado humanas, seus erros e vacilos, seus projetos e seus envios? Tento entrar um pouco do que seria a cabeça da Hanna Arendt quando descobriu que seu amor e seu tutor academico era nazista... Do jogo das mascaras eu ainda tento aquela que é de boa e no conflito na guerra e na disputa mercantilista de publico se satisfaz bebendo conversas com quem acredita e sente ser seus amigos... No jogo do ney ou da nova geração politizada o que me recorre é a historia e o devir de cada singularidade - palavras dificeis isto é um poema idìlico , me encontro com um brother do Senegal que tambem ta ilegal mas que ele deu uma boa risada quando me viu preocupada, como quem te diz te acalma novinha que tu ta de boa, teus privilégios tao ai... Corre que virou textão e sem interpretaçao vira um desabafo fio corrente de silencio em meio a tretas de facetruck reais e sérias ... E sobre o querer : Quem nao me quer porque fui embranquecida eu entendo Quem nao me quer porque nao sou branca nem rica eu dou o fora Quem me quer to aqui sempre pra um beijinho saudades terra territorio pau brasil saudades de peito aberto e sem chance de voltar (ainda)

terça-feira, 11 de julho de 2017

poema à Kafka e a sofrencia da sequela de nao validar o visto

off diario tarnac querida tarnac, queria tanto jogar meu passaporte no lago e viver no teu mundo queria tanto te amar e ter filhos contigo sem me lembrar que tu pertence à tua frança, maldita frança vc me perdoe o pacifismo agressivo, mas é cada humilhaçao e eu me autoboicoto e meu autoboicoto esqueci de validar meu visto de imigrante EU SIMPLESMENTE SEQUELEI E NAO VALIDEI MEU VISTO eu me sinto uma idiota e que sofrera as consequencias sans argent e maldita sem dinheiro e feliz em tarnac na verdade eu inconscientemente nao fui atras de validar meu visto me fudi desabafo destranco meu futuro quem saberà? porque os fudidos ainda complicam mais que merda esse estado me convocaram tres vezes e tres vezes nao soube que tinha sido convocada to fudida preciso de um advogado kafkaniano preciso de um marido frances ou nao preciso de nada um beijo

segunda-feira, 22 de maio de 2017

22/05

off-diario [saindo de paris a cidade modelo de gentrificação indo para o mundo sem rumo e sem dinheiro - mais uma vez - atrás de bicos e livros, escritos e amigos, vou pra tarnac, vou pro mundo. a diferença entre ser do povão que num sabe o que é a vida sem ajuda e os que são autocentrados em uma autonomia de elite, de família ou de bons empregos concorrentes competitivos e extremamente solitários escuto muito na europa que todo mundo é filósofo, quando em terras sudakas isso é piada, somos professores de rua mas não somos filósofos hehe continuo refletindo sobre os critérios de quais bolhas participar: daquelas que precisam da ajuda mútua, da luta, da resistência, contra o racismo, classismo, machismo e todos os ismos e também daquelas que não precisam de nada : talvez de um puxa saquismo (quando o filme é racista mas vc fica calado, a liberdade de expressão), e ainda tem as misturas pessoas não perfeitas que por um toque ou sensibilidade a gente gosta, - ainda que quanto mais vivo mais me distancio do precisar falar com todo mundo, quem quer audiência? quando comecei a usar internet e criei o pão eu falava das putarias (dos eus) da vida quotidiana mas não imaginava que ia se tornar esse "facebook", essa exibição "eterna" de si mesmo o tempo todo demonstrando felicidade ou tristeza, demonstrando uma egofagia, é triste, porque fico num beco sem saída, eu que já escrevo... continuemos. e aí vem a política do terror (ou a necropolítica) que não deixa brecha nem escapatória pra micropolítica dos afectos, dos desejos, tudo vira ego e dinheiro. faço uma oração ingenua, ainda catequisada, de que quando nos encontrarmos eu serei a mesma sem noção que pede ajuda e sorri de graça, não te preocupes não nos rebaixaremos, a luta continua! ]

segunda-feira, 24 de abril de 2017

off diario bebado em coimbra

houve a queima do facho facho quer dizer fascista somos símbolos e ritos palavras e gestos performance e poema a quem interessa a profundidade do gesto sem interrogação não se chega sem dúvida não se caminha transformemos sem verdades absolutas 25 de abril a queima do facho-em-nós avante dioniso avante exú a caminhada continua a luta a bússola ética nos guia !

segunda-feira, 13 de março de 2017

off-diario coimbra

morando na república pra-kys-tão <3 enquanto um mundo pautado pelas aparências fizer do seu grito um mercado enquanto um mundo pautado pelas aparências fizer do seu grito um enunciado de você não bebê você não eu ficarei (o eu, logo eu) de boa a fazer uma cena marginal a situação do mundo pautado pelas aparências a imagem é a que você quer passar quero: a micropolítica do desejo (e aqui um beijo e um enunciado de um novo projeto sobre a vida nas repúblicas enquanto territórios autonomos temporários, enquanto micropolítica dos afetos, enquanto) não, nunca a necropolítica. Em baixo Viva o Grelo duro por que todo dia é um dia de luta