segunda-feira, 22 de outubro de 2007

- Dionísio, saia da minha vida. - digo eu, mera mortal.

- Não faça isso Raísa. - diz Apolo, meu outro amor.

- Pois então que me obedeça um último pedido. - Dionísio.


Pausa para uma saideira.
Dionísio entrou no apartamento de Apolo, sentiu o vento e a brisa do mar, vento e brisa, acompanhados de uma boa dose de gin, tive sorte: ora, é dificil dois deuses gostarem de gin e nao de cachaça ou vinho... Dionísio encarregado de tocar os prazeres, da beleza, da vida e assim. Apolo transporta a luz que ilumina as mentes humanas: a Filosofia. Não sou tão platonica assim, é simbolicamente belo. Apolo.

Apolo tem um pau pequeno, mas sempre duro. E chupa como quem acompanha um beijo de língua na buceta. É bom no banheiro. me faço de cachorrinha com ele.
Dionísio tem um pau grande e perfeitamente grosso, também chupa, mas sabe me morder como ninguém. É bom suado de um dia inteiro, sem pudor e toda hora é hora de fuder, mia fia.

Os conheci quando chupei um doce e fui parar no Olympo, em determinados dias eu me deitei e conheci o corpo de cada um. Ambos são de flores e boleros. são de ciúmes, sim por que nao? aquele ciúmes que nao se percebe como ruim, oxe, nao vamos falar de coisa mortais. ops, de meros mortais.

Apolo me fez (obrigatoriamente) conhecer o amor, (maldito) amor, ou nao... O sexo era regado a palavras de carinho e sofreguidão.
Com Dionísio aprendi a ser carinhosa no sexo, a amar sem amar (entendeu?) ou nao existe isso, mas mesmo assim vivemos. Transavamos a noite toda, aproveitando o mínimo de prazer que cada um poderia dar, adormecia cansada com o pau dele dentro de mim, acordava com o pau dele dentro de mim, e assim me surpreendi quando ele falou do meu corpo, como este crescera, os seios aumentaram, o quadril, só ele percebeu que eu fiquei com um peitão.

Ambos me dão ambrosia e fazem arrepiar. Ambos têm uma sintonia perfeita onde vejo fortaleza com outros olhos e diminuem a saudade de certa amiga. (que nao convem comentar)

Lirismo Liberta, baby.

Transamos os tres, os dois me beijando e mordendo e dedicando o mais intenso carinho à mim. O que só acontecia em meus sonhos, aconteceu agora, o movimento contínuo e belo de um balé. Eu pedia para morder e os dois permitia, eu mordia, sofria e ria, havia uma certa tensão, mas na verdade os dois se seguravam para ver quem demorava mais a gozar, uma espécie de maratona prazerosA e que eu me empe nhava em deixá-los mais tensos, não havia porque colocar significado em um cacete de sexo, tinha mermo é que enfiar o pau deles na minha buceta (o cú nao vai ser mencionado. hehehe é obvio que ele está incluso nesse sistema de dedicações a deuses) Apolo com aquela forma metodica de prazer, empenhando seu maior esforço.
O incrível é que no momento do gozo, para os dois, ocorre um terremoto: musculo se tremem, gemidos altos se avolumulam e um tremor de terra faz com que os dois tenham uma espécie de epilepsia, esta que me dá tanto orgulho.
Apolo goza primeiro e se dieta na cama, ainda atremer de prazer com o vaie-vem meu e o domeu deus dionosio, ficamos até o amanhecer quando o apolo acordou e pode novamente enfiar seu pau na minha buceta, foi a vez entao de dionisio sucumbir numa garrafa de gin, pude entao sentir aquele suave gemido apoloniano espremendo o prazer e o cansaço, mortais vcs nao sabem o que é transar com amor. uf, pelo menos eu nao sabia. e eles nao cansam, e mesmo que a minha razao diga que naoi tenho mais pernas para me movimentar eu continuo até que eles digam: pare, por favor vou sucumbir de prazer. dois deuses me dizendo isso: até o cansaço queria ir dormir. até o sexo queria ir dormir, junto com os delírios de quem se goza.

Enquanto eu chupava Apolo, Dionisio me enfiava por trás, enquanto eu comia Apolo por cima eu beijava Dionisio, enquanto eu ficava de 4 eu olhava o amanhecer e dormimos juntos, fiz 69 sim.

Eu mera mortal amo dois deuses. Ambos não são daqui desta terra. e Ambos me amam de sua forma, pois eles tem as suas deusas... mas isso é outra história.

Como os amo. os dois, e os quero, na minha literatura sempre, dionísio com sua loucura (eu tomando banho com ele e dizendo que nao importa se o pau nao levantava, o que eu mais queria era o pau dele na minha boca), apolo com sua seriedade e suas delicadezas, as vezes cruel e por isso mesmo eu o amo. meu tutor.

Só de roçar na pele destes dois, com suas singelezas (ambos sabem o quanto sou sensível e, de preferência, sempre acordam já de pau duro). Foi o que aconteceu quando os juntei.

Perdoi-me, caro leitor, estou a ficar louca com tamanha paixão. Gozo, reflito, gozo, galabebo, gozo, e sei que estou feliz porque Dionísio é meu porto seguro e Apolo minha ilha desconhecida.

ou vice-versa. nao importa, ainda me falta respiração.
"Dançamos, privilégio aqueles que esquecem, que vivem o esquecimento, pois quando o sol nasce não dá para se esconder em uma cripta."




porra estou ficando sensível, o objetivo deste texto era fazer sobre uma fantasia sexual com dois homens, sexo puro e etc... mas só consegui falar do maldito verbo aimer. o foda: aonde é que a gente vai encontrar dois homens perfeitos assim? dois homens que possam falar sobre filosofia e sexo? oxê araxamurum, salve rainha, me ajude.

cada um tem o que busca.
temi ao escrever esse texto nao sentir o que sentia na hora de ve-los mas na verdade sinto sim, amor. verdadeiro.

ps: ô, ivo, to tao romantica! :-)

3 comentários:

mais algumas coisas disse...

lindo...lindo...lindo...

Raisa Inocencio disse...

meu dote e 10 reais, mais meio litro de colonial export.

:-)

Alê Ruoso disse...

fiquei sem fôlego! que texto maravilhoso!